Enquanto isso aqui na Itália… acaba o horário de verão

Há algumas semanas atrás ai no Brasil começou o horário de verão. Amado por uns odiados por outros, esse horário permite uma grande economia de energia elétrica, principalmente para um pais enorme como o Brasil.

Seguindo o mesmo raciocínio de economia energética, a Itália passa 7 meses de seu ano na chamada “ora legale”, que corresponde ao horário de verão no Brasil. Este horário inicia estranhamente às 3 horas da manha do ultimo domingo de março e termina as 3 da manha do ultimo domingo de outubro, ou seja, hoje. Isso significa que todos os italianos tiveram que atrasar seus relógios em 1 hora, por volta das 3 da manha de hoje. E nao me perguntem o porque. Eu não faço idéia porque 3 da manha e não meia noite. Loucos? Não duvido nada. Esse pessoal aqui é meio esquisito mesmo.

O importante pra mim é que assim, com “l’ora solare”, posso ter uma doce ilusão de que estou 1 hora mais pertinho da pátria amada.

__________________________________________________

Saindo completamente do assunto do post, gostaria de agradecer ao Fanny, do Fanny in Box, a indicação pro premio “Este blog vale à pena conferir”. Gostei muito do que o Fanny escreveu sobre mim e agradeço de coração mesmo. Pra dar continuidade eu preciso indicar 5 blogs. Já tenho alguns nomes que quero indicar, mas ainda não todos, pois alguns já foram indicados e eu sou nova na blogosfera, tenho muito o que conhecer ainda. No próximo post prometo colocar minha lista de indicados.

Tag: O Livro das revelações

Por volta de uma semana atrás, fui convidada pra uma tag super interessante que somente agora estou tendo tempo de responder. Meu primo Pedro do Receita do Sucesso me convidou para participar dessa tag “O Livro das revelações”. A tag consiste em transcrever para o blog o 5° paragrafo da pagina 61 do livro que eu estiver lendo atualmente.

E, atualmente, como estudante de um mestrado em Design que sou, os meus livros todos (que estão aqui comigo na Itália) são relacionados em alguma maneira ao assunto. E são italianos. Por isso terei que dar uma ligeira traduzida. Além disso, nenhum dos meus livros tem um 5° paragrafo na pagina 61, por esta razão irei transcrever o ultimo paragrafo da mesma pagina.

O livro escolhido se chama “Fenomenologia del tostapane” (Fenomenologia da Torradeira) de Harvey Molotch. Um livro já citado por mim no antigo Silent Devotion, do qual eu gosto muito. O livro fala dos objetos nossos de cada dia, da nossa relação com eles e como eles se tornam o que são.

“(…) Especialmente nos estudos maiores e mais evoluídos, os designers podem usar técnicas mais próximas àquelas dos cientistas sociais: a observação etinografica, os estudos de tempistica, time and motion studies, emfim, focus groups. Para criar uma escova de dentes, um estúdio de design requer a colaboração de dentistas, higienistas e empresas que produzem pastas de dentes; pode filmar pessoas escovando os dentes ou usando o fio dental e analisar cuidadosamente seus movimentos. Os designers podem, enfim, examinar as etapas que podem vir a ser eliminadas ao se utilizar o produto, e eventualmente a maneira na qual as formas e materiais minimizarão a fatiga ou danos eventuais. (…)”

Meio viagem né? heheh Mas acho que quem é designer vai sacar do que o autor esta falando.

Bem, eu sinceramente fiquei na duvida para quem passar adiante essa tag, pois como ainda não conheço muita gente na blogosfera fico com medo de ser repetitiva ou chata. Mas gostaria de ver o Fabio Centenaro respondendo essa tag pois ele escreve textos ótimos (sinal de quem lê muito).

P.S.: Mudei a cara do silent. Espero que tenham gostado.

De volta.

Passei a ultima semana fora. Em Roma para assistir uma aula de Teoria e Storia del Disegno Industriale, e resolver uns problemas.  Por isso meu ligeiro sumiço. Cheguei ontem à noite e hoje recebi uma noticia triste. Um ente querido de uma amiga querida faleceu. Sei como ela se sente. Sei exatamente como ela se sente. E estou aqui pro que ela precisar.

Receita simples, rápida e saudável – Zucchine al forno!

Atacando de Ana Maria Braga, meio que inspirada pelo meu colega de Blogosfera Vinicius do Morando Sozinho, resolvi postar uma receitinha básica que aprendi por aqui. Fácil, rápida e gostosa, até pra pessoas como eu que não são chegadas à verduras.

Le zucchine al forno, nada mais é que abobrinha ao forno. A receita é para uma pessoa, mas se for fazer pra mais gente é só aumentar o numero de ingredientes. Você vai precisar de:

1 abobrinha média (ou grande, dependendo da sua fome);
1 dente de alho;
farinha de pão ou de rosca;
óleo de oliva;
sal a gosto.

O preparo é super simples e fácil. Primeiro basta fatiar a abobrinha em fatias medias arrumando-as num tabuleiro. Em seguida jogue um fio de óleo de oliva por cima das fatias de abobrinha. Corte o alho em pedacinhos e jogue por cima das fatias de abobrinhas uniformemente. Pegue umas pitadas da farinha de rosca, jogando por cima, sem precisar cobrir tudo. Faça-o livremente, de modo uniforme, a quantidade desejada. Sal a gosto.
Depois é só colocar no forno e esperar que esteja tudo cozidinho.

Tai, uma receita simples, rápida, fácil e saudável. Eu que não comia verdura, adoro e recomendo.

Meme: Se eu fosse criança hoje em dia, o que eu gostaria de ganhar?

Opa, dia das crianças chegando e eu sendo convidada para um meme sobre o tema. Uma grande honra ser convidada pelo meu colega de blogosfera Fanny, do Fanny in Box, para este meme bem criativo.

Estou aqui pensando em como responde-lo, tarefa difícil para uma pessoa idosa como eu no inicio dos meus 27 anos de vida. Vale à pena ressaltar que, em minha humilde opinião, a infância dos anos 80 foi a melhor de todas, quando ainda havia Inocência, uma variedade imensa de brinquedos de boa qualidade, e crianças não passavam quase o dia inteiro na frente do computador ou jogando videogames, deixando mais espaço para usarmos nossas criatividades em brincadeiras.

Bom, eu quando criança obviamente adorava brincar de Barbie, escolinha, fazer comidinha, casinha, tudo isso sozinha ou com alguma coleguinha. E brincava também de comandos em ação, carrinho, trenzinho, catava formigas com meu irmão no quintal, subíamos na caixa d’água e nos sentíamos no topo do mundo, subíamos em arvore, comia jabuticaba, andava de skate (mesmo sentada, pois não conseguia ficar em pé), me ralava toda brincando na rua, jogávamos agua nas pessoas que passavam… enfim, brincava com o meu irmão que não suportava brincadeiras de menina, mas também não gostava de brincar sozinho. Fui uma criança mil e uma utilidades.

E ainda encontrava tempo pra ler x-men, jogar atari com meu irmão, jogar os primeiros jogos de computador e ainda por cima usar qualquer caixa de mudança abandonada como carro empurrando ou sendo empurrada pelo meu irmão. E isso tudo sem esquecer da minha Caloi.

Ou seja, me divertia com qualquer coisa. Tive uma infância feliz, graças a Deus.
Bom, sendo assim… o que eu pediria de dia das crianças (pois apesar da idade avançada, minha criança interior continua saltitante)? Sinceramente não sei responder… Talvez uma Barbie nova, talvez a ultima versão da playstation, talvez qualquer boneca fashion. Sei la, mas com certeza eu pediria uma coisa que ninguém pode comprar… poder recuperar a serenidade dos meus dias pueris, quando não precisava me preocupar com nada já que tinha meu pai e minha mãe para me protegerem.

Saudades.

Bom, passo a bola do meme para:
Pedro Cardoso do Receita do Sucesso
Luma do Luz de Luma