Quando aprendemos a perdoar

“Errar é humano, perdoar é divino.” Máxima conhecida por todos, utilizada como desculpa por muitos e praticada verdadeiramente por poucos.

O fato é que estamos cada vez mais individualistas, mais do que isto, egoístas. O mal do século. Nos utilizamos da correria do dia-a-dia e a defesa de nossos interesses para atropelarmos a boa educação tao bem ensinada por nossos pais, atropelarmos sentimentos nossos e de nossos semelhantes, para abusar da boa vontade alheia.

Boa vontade esta,  que é um “produto” cada vez mais escasso no “mercado” das emoções e atitudes humanas. E cada vez menos paramos para dizer um “obrigado”, pedir desculpas, ou até mesmo se interessar verdadeiramente pelo que o outro esta sentindo.  Com aquela premissa de que o “oi, tudo bom?” nada mais é do que uma frase pré-concebida, como um “bom dia” dado completamente vazio de sentido.

Convenhamos, quando foi a ultima vez que você teve tempo para se interessar realmente pelo que aquele amigo seu esta passando? E assim a vida continua em seu ritmo frenético e deixamos de lado sentimentos e momentos bacanas que poderíamos ter vivido, se, apenas se, tivéssemos esperado um segundo a mais.

O mesmo acontece com nossas mágoas, desamores, raivas. Nos magoamos, e o tempo corre. Os sentimentos ruins ficam lá escondidos, pesando no estomago, endurecendo nossos corações sem que nem percebamos. Afinal, quem tem tempo para perder com essas coisas subjetivas?  Até que estes conflitos mal-resolvidos, sem o menor aviso, ressurgem, nos cobrando um desfecho. Afinal você não pode ficar guardando aquilo pra sempre. Ou pode?

É mais ou menos quando criamos coragem de arrumar aquele monte de papéis que estão enfiados dentro do armário, e que não temos coragem de enfrentar. Mas uma hora é preciso olhar um por um e ver o que vai pro lixo. Se não o fizermos vamos acabar soterrados.

Perdoar requer o mesmo processo. Perdoar pede tempo, um tempo de esquecimento daquele sentimento jogado la no armário. E quando chega o momento em que ele te cobra, se revela quando menos você espera, você precisa encara-lo.

Na maioria das vezes não é fácil. Você simplesmente o esconde mais fundo ainda nesse “armário”, pra que você não o reveja tão cedo. Mas algumas vezes… algumas vezes você é surpreendido pela facilidade – e alivio – com a qual finalmente percebe que chegou a hora de perdoar e jogar fora definitivamente esta mágoa que por tanto tempo lhe fez mal, mesmo que você não assumisse isso nem para si mesmo.

Logo você que achava que encarar a tal mágoa seria como ser atingida por um furacão emocional – que não perdoaria facilmente, que faria o responsável por esta mágoa sentir o que você passou – percebe que não quer mais nada disso para a sua vida e que, com um sorriso e poucos minutos de conversa, tudo aquilo já não faz mais sentido e perdoa. Perdoa o outro e a si mesmo por ter se feito mal por tanto tempo. Perdoa e é capaz de desejar o melhor para a pessoa, do fundo de seu coração.

E ai, logo em seguida, a mágoa é substituída por uma sensação de leveza. Sim, a alma fica mais leve e agradecida, por aquele peso morto finalmente jogado fora. Menos um. E você sorri com vontade de chorrar.

Claro que no armário ainda ficaram alguns outros papéis que precisarão ser guardados por mais tempo, até que vença o prazo deles e você tenha que novamente ver se pode ou não jogá-los fora. Nada mais natural. Como dito no inicio do artigo, “errar é humano, e perdoar é divino”.  E por enquanto somos apenas mortais. Mas talvez nos aproximemos um pouquinho mais de Deus ao perdoar verdadeiramente. E sem duvida, não tem preço, por isso sugiro tentar.

E então, já deu uma arrumadinha no seu armário hoje? 😉

7 Comments

  1. Quem magoa não pode dizer simplesmente ‘foi sem querer’. Ninguém prejudica, magoa, do nada. Se existe motivo, este pode ser bem pior que o ato.

    Eu escrevi um texto – este não foi para o blogue, entitulado “Me dê motivos para escrever cartas de amor”. Do mesmo modo também damos motivos para o contrário. Assumir que somos os maiores causadores de nossas próprias mágoas, é bem pior do que perdoar erros alheios. E o sentimento de culpa alheio é sempre maior que a motivação.

    O Crime não compensa!

    Então, uma mesma história sempre tem dois lados – ação e reação – sabe?

    Boa semana!

    1. @Luma, realmente, o crime não compensa e ninguém pode simplesmente dizer “foi sem querer”. Mas não se trata disso. Nem de assumir que somos os causadores de nossas próprias magoas. Talvez você não tenha me entendido.

      O que digo é que sempre existe um momento de realmente deixar de lado o mal que nos foi feito, independente da outra pessoa. Claro que existe dois lados. Mas o que digo no meu texto é: façamos um bem a nos mesmas, e nos livremos de sentimentos ruins que acabam só nos fazendo mais mal do que a ferida que nos foi feita em si. Perdoar para nos sentirmos bem, quando estivermos preparados. Deixar a amargura de lado.

      Pois o verdadeiro mal fica para quem faz.

  2. Linda… o perdão, assim como o amor, é uma decisão, e pessoalmente uma tarefa muito difícil. Meu armário não tá muito pesado… mas, é uma tarefa q tô fazendo já tem algum tempo… limpando ele, organizando, e esvaziando aos poucos…

    Tomara q eu consiga!

    beijos

    1. @NÚBIA,
      Sempre é difícil perdoar. As vezes mais difícil perdoar do que amar. Ou melhor, mais fácil é dizer que ama e que perdoa da boca pra fora. Difícil é realmente sentir em seu coração esse perdão (ou amor).
      Não é simples decidir perdoar. Racionalmente talvez até consigamos. O problema é convencer o coração de que é chegada a hora. Mas quando acontece, é gratificante.

      Aos pouquinhos, sempre aos pouquinhos, vamos organizando nosso armário das emoções. Vc vai conseguir!
      Beijos e boa sorte!

  3. Me disseram q eu tenho q achar a pessoa q não me perdoou verdadeiramente. Queria saber se há sinais q eu possa identificar. Preciso pedir perdão pra seguir tranquilo. Por favor, me ajude enviando pelo email.

    Obrigado a todos.

    1. Caro Marco,
      Desculpe, mas não entendi bem o que estás precisando. Vc poderia nos esclarecer o que houve? Quem sabe assim posso ajudar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>