Inocência perdida

I bambini fanno ohGiuseppe Povia


Quando as crianças dizem oh
tem um ratinho!
quando as crianças dizem oh
tem um cachorrinho!
se tem uma coisa que agora eu sei
que nunca mais mesmo verei
é um lobo mau dando um beijinho
a um carneirinho.

Todas as crianças dizem “oh
me dê a mão por que me deixa sozinho?”,
você sabe que sozinho não dá, sem alguém
ninguém consegue se tornar um homem

Por uma boneca ou um robô
talvez briguem um pouco
mas com o dedinho e em voz alta
ao menos eles, hein, fazem as pazes

Assim cada coisa nova é uma surpresa
e mesmo quando chove
as crianças dizem “oh
olha a chuva!”

Quando as crianças dizem “oh”
que maravilha, que maravilha!
mas que bobo, veja, porque
e me envergonho um pouco,
pois não sei mais dizer oooh
e nem fazer tudo que me dá na telha.
porque as crianças não têm pelos
nem na barriga,
nem na língua.

Crianças são muito indiscretas
mas tem tantos segredos
como os poetas
crianças voam com a fantasia
e até alguma mentirinha,
mas mamma mia… olha

Mas cada coisa é clara e transparente
que quando um adulto chora
as crianças dizem “oh,
você fez dodói
a culpa é sua”

Quando as crianças dizem “oh”
que maravilha, que maravilha!
Mas que bobo, veja, porque
me envergonho um pouco,
pois não sei mais fazer oh
não sei mais andar de balanço
de um fio de lã
não sei mais fazer um colar

Enquanto os tolos dizem «Eh?»,
enquanto os tolos dizem «Hein?»,
enquanto os tolos dizem «Bah?»
tudo fica igual.
Mas se as crianças dizem «ooh»
não basta a vogal
eu me envergonho um pouco
no entanto os grandes dizem «Não!»
e eu peço asilo, eu peço asilo.
como os leões
eu quero andar de quatro.

Cada um é perfeito,
com a mesma cor,
viva os loucos
que entenderam
o que é o amor
tudo é um gibi
de palavras estranhas
que eu não li.

Quero tornar a fazer oh
porque as crianças
não têm pelos
nem na barriga
nem na língua.

Vocês já repararam na musica que toca ao fundo da atual propaganda da kinder? Ela é cantada em português e para ser sincera não sei nem mesmo como se chama na nossa língua. Mas a verdade é que a musica original é italiana do cantor e compositor Giuseppe Povia.

Povia escreve e canta algumas musicas até mesmo estranhas, mas existem algumas que são bem bonitinhas. Uma delas é a canção acima, chamada “I bambini fanno oh” que fala da inocência das crianças, a capacidade delas de se maravilharem com as coisas mais simples do quotidiano, a forma simples e inteligente que vivem a vida.

A cançao fala também, com sua poesia descomplicada e popular, o quanto nos, adultos, podemos nos cegar conforme crescemos. Perdemos aquela inocência, aquela visão gostosa das coisas, aquela imaginação fácil capaz de nos transportar a outros mundos, mundos deliciosos de pura brincadeira. Crescemos e nos tornamos cegos, até mesmo “cretini” (tolos) e hipócritas.

Queria voltar a ser criança, voltar a entender que as coisas são mais simples do que a pintamos, voltar a compreender que sozinhos, no fundo, não chegamos a lugar nenhum. Que precisamos de amigos, de brincadeira, de momentos leves, de imaginação, de riso, de alegria. Lembrar que de nada serve sermos sérios demais, pois nada é para sempre, e dessa vida só levamos as lembranças da maneira como a vivemos.

Para conhecer a letra original clique aqui. A tradução foi feita por mim.

One Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>