No one wants to be defeated…

michael_jackson_-_invincible

Não pretendo fazer sensacionalismo, muito menos criar polêmicas. Gostaria apenas de prestar uma homenagem ao rei do pop Michael Jackson, que, como todos nós sabemos faleceu na última quinta-feira (25/06/2009). Demorei a escrever, mas vai demorar mais ainda para a tristeza passar.

Quando eu nasci, ele já fazia sucesso. Desde os 11 anos de idade ele já mostrava ao mundo seu grande talento como vocalista do grupo Jackson 5, junto com seus irmãos mais velhos. Tive então a sorte de poder acompanhar o auge de sua carreia solo durante a minha infância nos anos 80. Quem da minha geração não adorava os clipes dele que eram mais filmes curta do que um mero vídeo de música? Eu, pequenininha, achava o máximo Thiller.

Cantarolava a música “Beat it” sem entender absolutamente nada achando que ele dizia algo como “pirê pirê pirê pirê…” em minha inocência pueril. Lembro como se fosse hoje quando vi pela primeira vez o video “Bad”. Eu tive vinis que depois foram substituídos por cds e ficava até tarde da noite esperando Moonwalker passar na televisão, se não me engano, no SBT, e cheguei a gravar em fita de vídeo o filme. Tenho até hoje o álbum Dangerous em fita cassete (!) que ganhei dos meus pais e ficava horas ouvindo e lendo as letras no pequeno encarte negro que veio na fita. Achei o máximo o clipe de Black or White. Tive até mesmo uma paixonite adolescente pelo cara e achava o máximo que ele fosse virginiano como eu e que eu fazia aniversário dois dias depois dele.

Colecionei fotos e reportagens, juntamente com as coisas que colecionava da Madonna. Meus ídolos desde sempre. Era muito novinha para ir vê-lo quando veio ao Brasil, infelizmente. Curtia até mesmo as músicas dele de quando ainda era menino e até hoje me emociono com as canções “I’ll be There” e “ben” – as quais não posso ouvir se não acabo derramando lágrimas.

Confesso que jamais acreditei quando o acusaram de abuso sexual. É obvio que ele tinha seus problemas, mas como fã eu nunca acreditei. Tão fácil falar mal e julgar os outros, não é mesmo? Principalmente quando não sabemos o que realmente está acontecendo, quem está dizendo a verdade, quem está mentindo, quem está querendo somente se aproveitar. Só sei dizer que em meu coração eu nunca consegui vê-lo como um pedófilo. E sim como alguém bondoso, que só queria ser criança, ser Peter Pan em sua Never Land. Nunca entrou em minha cabeça que um ser tão frágil, tão doente poderia fazer mal a alguém.

Me entristecia muito ver o caminho que ele estava trilhando. Mas numa boa, quem, dentre as celebridades, nunca fez uma plástica? Até a Cher tirou uma costela para parecer mais magra (!). Que ele tinha problemas psicológicos era inegável. E isto só me entristecia.

Fiz piadas sobre ele, como todo mundo. Mas no fundo eu torcia e esperava sinceramente por uma volta por cima, um ressurgir das cinzas, bem ao estilo da ave fênix. Até Britney Spears surtou, chegou ao fundo do poço e ainda tenta se reerguer, não é?

Ninguém gosta de ver alguém por quem temos carinho se destruir. Mas quem tá de fora, acha sempre mais fácil julgar e falar mal. Quem é que teve a coragem e preocupação de erguer a mão e oferecer ajuda? Dizer “vem comigo, eu te ajudo, tudo vai ficar bem.” E isto vale para todo mundo, sabe?

Eu via o Michael como alguém verdadeiramente perturbado. Um incompreendido. E a mídia é cruel. Sensacionalismo é o que vende. Então o caminho mais fácil para se fazer dinheiro é explorar os dramas alheios, esquecendo que somos todos humanos e TODOS erramos. A diferença é que quando se é famoso, qualquer besteirinha toma uma repercussão enorme e pode rolar aquela coisa do telefone sem fio, sabe? Eu falo “A” aqui, e do outro lado do mundo escutam “Z”.

Não estou defendendo. Não sei o que se passou na vida do cara. Apenas prefiro não julgar. Prefiro seguir meu coração e a política de que se é inocente até que se prove o contrário. E não partir do pressuposto de que ninguém presta e que todos devem ser condenados. Todos temos virtudes e defeitos horríveis que preferimos guardar em um cofre e jogar a chave fora.

Ele se foi. É triste sim. Machuca saber que, pelo menos nesta vida, ele não teve a oportunidade de se reerguer… e faltava tão pouco… estava tão perto disto acontecer. Lamento pelos filhos que ele deixou e a família. Acredite, não há nada mais triste que perder um pai. Que ele agora encontre a paz que não encontrou em vida. Que consiga enfrentar e superar seus “fantasmas” e finalmente ser feliz.

Para conhecer a vida e carreira de Michael Jackson clique aqui.

Assista aos vídeos oficiais aqui.

5 Comments

  1. Eu sou super fã do Michael!!! Sempre achei que ele foi muito incompreendido e perseguido. Tinha um dom maravilhoso e por isso atraía muitas pessoas, inclusive aproveitadores. Acabei de ver na tv que o garoto que o acusou de abuso confessou na internet ser tudo mentira e que foi obrigado pelo pai a dizer tudo aquilo. Sempre acreditei que ele era inocente. Foi uma grande perda.
    Bjokas

  2. Oi.. rodando pela net, acabei vendo teu texto ‘Minha essencia" na página de um orkut, como "conheço" a pessoa e sei que ela não escreveria tão bem, vim procurar pelo google e cai aqui. Sou blogueira e não acho bacana "usurpar" de um texto sem dar os devidos créditos. http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?uid=151919593062873895

    no mais, o texto é lindo mesmo e até eu gostaria de tê-lo escrito.

    1. Olá Amora. Te agradeço por me avisar. Infelizmente isto de copiar o texto sem dar os devidos créditos ocorre muito, e é triste que as pessoas não tenham consciência dos direitos autorais. O pior é que o escrevi super pessoal, para o meu noivo, o amor da minha vida. Como pode ter a cara de pau de copiar algo tão pessoal assim, não é? Tentarei entrar em contato com a pessoa.
      Beijos!

  3. desde quandoo o conheci
    ele sempre foi uma pessoa linda por dentro e por fora
    foi é e sempre sera um orgulho ser fã dele

    TE AMO DE MAIS MICHAEL
    bjussssss

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>