Pilates

Artigo previamente publicado por mim no site Chat Feminino July 30, 2009 (13:26)

Mais uma vez irei abordar um tema que adoro, o Pilates.

Confesso: Não suporto malhar! Pulei de galho em galho, testando diversas modalidades, umas gostei mais e outras menos, mas nenhuma me conquistou como o pilates. Antes de descobrí-lo passei um tempo sem fazer atividade alguma e engordei horrores. Claro que precisava fazer alguma coisa urgente, não porque pra ser bonita tem que ser magra (pelo contrário, pra ser bonita você tem que estar de bem com você mesma) mas principalmente por uma questão de manutenção da minha saúde.

Porque, vamos combinar? Não há beleza que se sustente sem saúde. Mas vamos ao pilates!

Pilates é perfeito para quem não suporta musculação. Super gostoso de praticar, o método foi elaborado no começo do século vinte pelo atleta alemão Joseph H. Pilates como um sistema de exercícios para melhorar a flexibilidade, consciência corporal, equilíbrio e força.

O método foi desenvolvido de forma que o praticante faça poucas e eficientes repetições dos exercícios, exigindo do mesmo um controle adequado de seu corpo. Devido à necessidade de se concentrar durante as rotinas de exercícios é garantido ao praticante sentir-se mais consciente das funções musculares e ainda controlá-las mais adequadamente. Ou seja, você passa ater um uma consciência corporal muito grande, coisa a qual não estamos acostumadas, ainda mais na correria do dia a dia.

Segundo Joseph Pilates, após as 10 primeiras aulas, o praticante sente que o corpo mudou; após 20 aulas, que as mudanças são visíveis ; após 30, as demais pessoas começam a notar as mudanças.
E eu assino embaixo! Com seus movimentos fluentes feitos sem pressa e com muito controle para evitar estresse, dia após dia começamos a perceber nosso corpo mais forte, mais definido e sem perder a feminilidade. Conforme se vai avançando na prática, os exercícios se tornam mais difíceis, mas você se surpreende ao notar que seu corpo está perfeitamente preparado para enfrentar níveis de dificuldade maiores e este é apenas um dos prazeres que descobri praticando o método!

O alinhamento postural é importante em cada exercício, ajudando na melhora da postura global do indivíduo. Assim, a força, a tonificação e o alongamento são trabalhados de dentro para fora do corpo, tornando-o forte, bonito, saudável, harmonioso e elegante. Tudo de bom, posso garantir!

Como são as aulas?

– Apresentam exercícios suaves e eficazes;
РPoucas repeti̵̤es de cada movimento;
– Grande repertório de exercícios;
РAulas ̼nicas, evitando monotonia;
– Uso de aparelhos e acessórios criados especialmente para os exercícios;
– Resultados rápidos e duradouros;
РConstrṳ̣o de uma postura correta e natural;
– Não há desgaste físico.

Quais são os benefícios?

– Aumenta a resistência física e mental;
– Alongamento e maior controle corporal;
РCorre̤̣o postural;
РAumento da flexibilidade, t̫nus e for̤a muscular;
– Alívio das tensões, estresse e dores crônicas;
РMelhora da coordena̤̣o motora;
РMaior mobilidade das articula̵̤es;
– Estimulação do sistema circulatório e oxigenação do sangue;
– Facilita a drenagem linfática e eliminação das toxinas;
– Fortalecimento dos órgãos internos;
РAumento da concentra̤̣o;
РTrabalha a respira̤̣o;
– Queima de calorias;
– Promove relaxamento.

Resumindo, você sai da aula renovada, super zen, com sensação de dever cumprido e ficando cada vez mais saudável.

Quem pode praticar?

Por ser uma atividade individual ou feita na companhia de pequenos grupos e ainda supervisionada por um professor, a aula é direcionada para as necessidades individuais do aluno. Estes exercícios especiais podem ser feitos por qualquer indivíduo, desde o super treinado ao sedentário, do idoso ao adolescente e das grávidas aos pacientes em fase de reabilitação ou com desordens alimentares, ainda podendo ser recomendado como condicionamento e prevenção de lesões para todos os indivíduos. Ou seja, qualquer pessoa, entre 12 e 100 anos e em todos os níveis de condicionamento físico pode praticar o Pilates.

Que roupa usar?

Roupas confortáveis de ginástica. O método é praticado com os pés descalços, ou se preferir com uma meiazinha, nunca de tênis.

Como vocês já devem ter percebido, eu sou grande fã do método. A única coisa que pode desagradar são os preços, que não são exatamente baixos. Mas para mim, apesar de caro, compensa. O bacana é que sempre se pode fazer uma aula experimental para ver se gostamos mesmo antes de fazer a matrícula. Afinal, fazer uma atividade física que não gosta e ainda gastar dinheiro com isso, nunca funciona.

Quando nos tornamos mais seletivos

É um processo natural da vida. Conforme amadurecemos, nos tornamos inevitavelmente mais seletivos em tudo na vida. Quase como um instinto de auto-preservação.

A adolescência é a fase da experimentação. A infância também, mas na adolescência a coisa se aprofunda. Queresmos ser adultos logo sem ter a maturidade para a coisa toda e vamos indo aos tropeços experimentando situações, amizades, baladinhas, tribos, turmas, estilos, quase nos perdemos no meio de tanta informação, um mundo inteiro ainda pra se ver, entender, conhecer, aprender.

Claro que, ao nos tornarmos adultos o aprendizado continua. Sempre existe alguma coisa para aprender, isso é fato. Até o fim da vida, e quiçá além dela.

O fato é que ao amadurecermos nos tornamos mais seletivos com as coisas que desejamos viver e/ou manter em nossas vidas. Sentimos a necessdade de mudanças, de términos de ciclos. Recomeços. Novos começos.

A vida é feita de idas e vindas, nada é linear. Apenas o aprendizado de quem se dispões a evoluir que é crescente, mas além disso, todo o resto é cíclico, cheio de curvas, idas e vindas, altos e baixos, zigue-zagues, linhas tortas… Muita confusão até que comecemos a no encontrar e, nada mais natural que nos perdermos no meio do caminho vez ou outra.

Nos tornarmos seletivos faz com que toda essa confusão ao menos se amenize. E faz bem.

Não é nenhum absurdo que você se dê conta, em um determinado momento da vida, de que aquele trabalho já não te satisfaz mais. Você começa a pensar em maneiras de investir seu dinheiro, mudar de emprego, abrir ou próprio negócio, ou até mesmo mudar de profissão começando uma nova faculdade (nunca é tarde!).

Deixar de frequentar certas baladas, porque elas já foram ótimas, você não tem nada contra quem vai, mas simplesmente já não te atrai mais aquele tipo de coisa. Deixar de ir a lugares que não te agradam e você só vai porque os amigos dizem que é cool ir lá. Selecionar melhor os lugares que frequenta é um bem que se faz a si mesmo. Afinal, quando você sai para a balada, a prioridade deve ser se sentir bem, se divertir. Status social é pura besteira e não traz bem estar real a ninguém. O que faz bem é fazer o que se gosta de verdade!

Uma amizade que não está mais dando certo, por exemplo. Fim de amizades acontecem sim. É triste claro, pois a gente acha que vai levar aquele amigo para o resto da vida, mas nem sempre é possível. Não que você tenha que cortar relações com aquela pessoa querida (óbvio que não), mas afastamentos por incompatibilidades acontecem de maneira mais freqüente que imaginamos. Isso não tem absolutamente nada a ver com descartar uma pessoa (até porque, se eu afirmasse isso estaria sendo incoerente com meus próprios textos e pensamentos), e sim permitir que ela siga o seu próprio caminho e você siga o seu, sem qualquer ressentimentos e podendo perfeitamente em um futuro (próximo até), sentar em um bar e contar as novidades um para o outro. É normal e faz parte do ciclo da vida, mes amis. Incompatibilidade de opiniões não é o motivo para desgastes e rancores mútuos!

O mesmo serve para relacionamentos amorosos. Pode acontecer do amor acabar e de vocês descobrirem que se dão melhor como amigos. E aí decidirem por cada um seguir seu caminho, mas levando no coração o carinho por aquela pessoa que passou por sua vida. Faz parte do amadurecimento. Não estou dizendo que precisam virar os melhores amigos do mundo, viverem grudados, porque aí daria no mesmo continuar juntos. Falo sobre cada um seguir seu caminho sim, e um dia, quem sabe, quando a mágoa passar, se encontrarem e conversarem sobre o que cada um fez da vida, os sonhos que realizou e etc.

Enfim, o  que quero dizer é que, muitas vezes é necessário abrir mão de alguma coisa para alcançarmos nossa felicidade e evoluirmos um pouquinho que seja… Nem que seja abrir mão do próprio orgulho para ir em busca da felicidade, ir atrás daquela pessoa que te faz falta, dizer a alguém que sente saudades e que o ama.

Tudo é uma questão de selecionarmos aquilo que é melhor para nós. Parar de se violentar, dar um basta à auto-sabotagem. Ser seletivo não é defeito. É um bem que faz a si (Mas tudo com moderação, s’il vous plaît).

Festa Junina e comidinhas calóricas

Eu faço dieta. Dieta de 1200 calorias, comendo um pouquinho a cada 3 horas, sem passar fome, tudo muito saudável e muito bonito para eliminar aqueles 3 quilinhos que sempre incomodam toda e qualquer mulher. Nada de anorexia ou bulimia pra mim, ok?

Mas enfim, minha dieta vem funcionando e devagarzinho tenho eliminado os quilos desagradáveis. Beleza. Mas ontem fui a uma festa junina super bacana, e festa junina é sinônimo de comilança. Não me neguei algumas delícias típicas, já que tenho seguido minha dietinha tão disciplinadamente. Me permiti mesmo, sem culpa e alegremente.

Porém, hoje bateu uma curiosidadezinha para saber o quanto eu havia abusado ontem, e pesquisando pela internet encontrei algumas informações nutricionais dos nossos pratos típicos preferidos. Só por curiosidade (e sem neura, por favor!) aí vai:

DOCES

Amendoim torrado. Cuidado! Um punhado com 50g (o equivalente a três colheres de sopa) tem 300 kcal
Arroz doce (1 xícara de chá): 330 kcal
Baba de moça (1 colher sopa): 150 kcal
Barra de doce de leite (1 unidade): 110 kcal
Beijinho de coco (1 unidade média): 125 kcal
Bolo de fubá (1 fatia grande): 340 kcal
Bolo de fubá (1 fatia média) tem 220 kcal
Bolo de mandioca com coco (1 fatia grande): 300 kcal
Brigadeiro (1 unidade média): 100 kcal
Cajuzinho (1 unidade média): 105 kcal
Canjica (1 colher sopa): 40 kcal
Canjica – 1 pires – 120g – 136 kcal
Cocada: 400 calorias (1 unidade média de 70 gramas)
Curau (1 xícara de chá): 231 kcal
Cuscuz (1 pedaço): 190 kcal
Doce de abóbora: porção de 50g de tem 107 kcal
Doce de Abóbora com coco: 83 calorias (1 colher sopa cheia 40gramas)
Doce de coco: 235 kcal (1 colher sopa cheia – 50 gramas)
Doce de Banana em calda: 40 calorias (1 colher sopa cheia 50 gramas)
Doce de Leite: 116 calorias (1 colher sopa cheia de 40 gramas)
Doce de Mamão Verde (1 colher de sopa): 78 kcal
Maçã do amor (1 unidade de 150g): 432 kcal
Manjar branco com calda de ameixa: 315 calorias (1 fatia média de 130g)
Paçoca: 115 calorias (1 unidade de 30 gramas)
Pamonha (1 unidade de 100g): 195 kcal
Pé de moleque: 88 calorias (1 unidade de 20 gramas)
Pipoca doce (1 xícara chá): 177 kcal
Pudim de leite sem calda: 235 calorias (1 fatia média de 130g).
Queijadinha (1 unidade média): 301 kcal
Quindim (1 unidade): 108 kcal
Suspiro (1 unidade): 41 kcal

SALGADOS

Caldo Verde (1 prato): 234 kcal
Cachorro Quente (1 unidade): 191 kcal
Churrasquinho no espeto (1 unidade): 200 kcal
Espiga de milho cozido (1 unidade média): 132 kcal
Pinhão (1 xícara chá): 201 kcal. Cada unidade de pinhão tem 12 kcal
Pipoca (1 xícara chá): 103 kcal. A pipoca é uma opção saudável e não muito calórica (um saquinho médio tem 103 kcal). Mas não vale colocar manteiga – uma colher de sopa pode somar 140 kcal ao petisco
Salsichão (1 unidade): 215 kcal

BEBIDA ALCÓOLICA

As bebidas alcoólicas são bastante calóricas, por isso modere no quentão (o copo pequeno, de 150 ml, tem 280 kcal) e no vinho quente (a mesma medida tem 180 kcal

Fonte: site Nutrição & Esportes

Como ontem abusei um pouquinho, hoje estou pegando leve na alimentação, seguindo o meu programa como de costume. Por isso, caso você se entregue a essas delícias, nada de desespero e culpa, viu? Só retomar tudo bonitinho no dia seguinte. Não faça a louca! 😉